Um dos débitos que a Psicologia ainda tem a pagar com a sociedade decorre de sua recusa em fazer a crítica da própria história, ou seja, dos seus saberes e fazeres historicamente constituídos que a tornam uma ciência ideológica. O livro O nascimento da Psicologia Social no Brasil: uma crítica a Raul Briquet, do jovem pesquisador Thiago Bloss de Araújo, contribui para essa necessária crítica ao desvelar algumas das importantes determinações históricas, sociais e políticas presentes na constituição da Psicologia Social no Brasil.
Editora: Editora Appris
Categorias: Psicologia

Tags:

#Psicologia Social

Autores:

Comentários
  • Este arquivo ainda não possui nenhum comentário... seja o primeiro a comentar!
Avaliações
  • Este arquivo ainda não possui nenhuma avaliação... seja o primeiro a avaliar!

ISBN: 978-65-250-0553-9

IDIOMA: Português

NÚMERO DE PÁGINAS: 399

NÚMERO DA EDIÇÃO: 1ª Edição

DATA DE PUBLICAÇÃO: 2021

Um dos débitos que a Psicologia ainda tem a pagar com a sociedade decorre de sua recusa em fazer a crítica da própria história, ou seja, dos seus saberes e fazeres historicamente constituídos que a tornam uma ciência ideológica. O livro O nascimento da Psicologia Social no Brasil: uma crítica a Raul Briquet, do jovem pesquisador Thiago Bloss de Araújo, contribui para essa necessária crítica ao desvelar algumas das importantes determinações históricas, sociais e políticas presentes na constituição da Psicologia Social no Brasil.

Em um momento em que o país se paralisa frente aos mandos e desmandos autoritários de um presidente legitimado pelas classes dominantes, este livro serve como uma denúncia ao projeto de modernização conservadora das nossas elites, historicamente defensoras de um liberalismo escravocrata e forjadas em um país recém saído da escravidão no início do século passado. Deste modo, fazer a crítica do chão social em que estão inseridas as ideias e concepções da Psicologia torna-se também um exercício de elaboração do seu passado. É este compromisso ético-político que o autor defende ao afirmar que “a Psicologia Social sempre se posicionou frente ao autoritarismo de seu tempo, seja para reiterá-lo, seja para negá-lo até às últimas consequências. Desta maneira, uma Psicologia que se pretende crítica, deve insistir no exercício de escovar a própria história a contrapelo”.
.
  • Este arquivo ainda não possui nenhum comentário... seja o primeiro a comentar!

Você também pode gostar:

A QUEBRA DO SILÊNCIO E AS VERTENTES DO ABUSO SEXUAL manual de prevenção e intervenção R$ 113,88
A INTERSETORIALIDADE E SEUS DESAFIOS R$ 65,88
SUBJETIVIDADE, VIOLÊNCIA E POLÍTICAS PÚBLICAS teorias e práticas R$ 63,48
O DIREITO À AMAMENTAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DO VÍNCULO MÃE BEBÊ PARA A MILITAR BRASILEIRA PÓS LICENÇA-MATERNIDADE R$ 46,68
ENVELHECIMENTO E PRÁTICAS GERONTOLÓGICAS R$ 83,88
SENTIDOS E SIGNIFICADOS NAS DIFERENTES PRÁTICAS EM SAÚDE R$ 75,48
MITOS GREGOS E PSICANÁLISE Interfaces R$ 76,68
EMPATIA a capacidade de dar luz à dignidade humana R$ 47,88